Como o canvas pode te ajudar a criar uma proposta de valor cultural e social?


O canvas é uma das ferramentas mais utilizadas por empreendedores em todo o mundo na criação e validação de produtos e serviços. A estrutura a ser formada visa ajudar o empreendedor a criar e desenvolver uma proposta de valor ao segmento de mercado almejado, ou seja, sanar uma necessidade ou problema real para o seu público de interesse.

Ao identificar a sua proposta de valor social, o empreendedor terá maiores chances de elaborar e desenvolver projetos mais assertivos, e por consequência poderá engajar o seu público de interesse e atrair potenciais parceiros ao seu projeto.

Basicamente, o canvas é um quadro dividido em 09 (nove) partes, são elas: Parceiros chave, Atividades chave, Recursos chave, Proposta de valor, Relação com o cliente ou público, Canais de Distribuição, Estrutura de custos, Fontes de renda (sustentabilidade). Mas como e o que você poderá preencher em cada um dos espaços?

Antes de iniciar você tem as opções de imprimir ou desenhar o seu próprio quadro e preenchê-lo com post-it coloridos, ou se preferir, preencher através da plataforma Sebrae Canvas, disponível aqui.

Sugerimos conforme detalhamos abaixo, iniciar primeiramente pelas fases de segmento de mercado e proposta de valor, a partir daí você poderá dar sequência no desenvolvimento da sua ideia.

Post-it coloridos:

Você pode planejar o preenchimento do seu quadro através das cores de cada folhinha. Por exemplo, imagine que você utilize ao menos 03 cores diferentes, sendo a cor amarela para a fase de hipótese, ou seja do “achismo”, antes de conversar sobre o interesse do seu potencial público.

A cor azul para a validação da primeira fase, ou seja alguma atualização que você venha a fazer, por exemplo, o público que demonstrou maior interesse tem outra faixa etária, e a cor rosa para acrescer uma nova demanda, por exemplo, existe uma procura crescente por adultos em seu projeto. A utilização das cores é apenas uma sugestão.

O Projeto

Vamos ter como base o projeto fictício: “HipHop do Futuro”, que terá o objetivo de levar a cultura do movimento à crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social, em comunidades carentes.

1) Segmento de mercado (público de interesse):

Aqui você deve preencher os dados do seu público de interesse, ou seja, quais pessoas você visa atender através da sua proposta. Procure separar em seus post-it escolhidos, informações únicas sobre ele, ou seja, uma folhinha para classe social, idade, sexo, região onde moram, hábitos de consumo e outras informações que possam definir melhor o seu público. Dessa forma, você pode retirar as folhinhas que não forem mais importantes. Faça isso nos outros espaços também.

"Hip Hop do Futuro": Crianças e Jovens, ambos os sexos, entre 10 e 18 anos, moradores da periferia da cidade de Praia Grande/SP.

2) Proposta de valor:

A sua proposta de valor precisa atender o seu público de interesse. Dessa forma você desenvolve ideias que melhor se alinham a um problema ou necessidade do seu segmento de mercado. Lembre-se, divida cada ideia em folhinhas diferentes.

"Hip Hop do Futuro": Ensinar os quatro elementos da cultura Hip Hop (Rap, Dança de Rua, Discotecagem e Grafite) e criar um paralelo entre a sua origem e o contexto social vivido pelos jovens.

3) Canais de Comunicação:

Aqui você deverá informar como você divulgará o seu projeto. É importante entender as características de comunicação em que o seu público está inserido. Por exemplo, em comunidades da periferia é comum o uso de rádios locais, carros de som, faixas e banners.

Procure também por parcerias para a divulgação em escolas públicas, centros comunitários, culturais e religiosos. Se porventura o local do projeto não for o mesmo do convívio do seu público, é interessante reforçar a comunicação em redes sociais (perfis populares), blogs e jornais da cidade.

"Hip Hop do Futuro": Faixas e cartazes nas escolas, centros esportivos e comunitários, carro de som e banner digital para release na página do centro cultural do bairro.

4) Relação com o cliente (público de interesse):

Basicamente, aqui você deverá detalhar a sua interação com o seu público de interesse. No caso, o relacionamento poderá ser online, presencial ou semi-presencial.

Hip Hop do Futuro: Aulas presenciais com até 20 alunos em cada turma.

5) Fontes de renda (sustentabilidade):

Chegamos em um dos itens mais importantes até aqui. Pense de que forma o seu projeto poderá ser viabilizado e consequentemente sustentado. Vale ressaltar que um plano para a geração de renda da ação é uma necessidade cada vez mais flagrante do projetos socioculturais.

Você pode incluir: Financiamento coletivo, empresas, vendas de itens como camisetas e bonés, cobrança de mensalidade, festas e eventos com comercialização de ingressos.

"Hip Hop do Futuro": Vendas de camisetas e copos do projeto, festas temáticas com cobrança de ingressos a preço populares.

6) Recursos chave:

Você sabe o que é necessário para realizar o seu projeto? Os seus recursos chave são materiais e humanos, como caixas de som, projetores, computadores, câmeras fotográficas, salas de aula, instrutores e voluntários, assim como uma equipe qualificada para a ação.

"Hip Hop do Futuro": Professores, salas de aula, caixa de som, projetor, figurinos, cadeiras, iluminadores, computador e impressora.

7) Atividades Chave:

Essa é fácil. Aqui você deverá preencher o que realmente você irá fazer, ou seja,- o objetivo principal do seu projeto.

"Hip Hop do Futuro": Oferecer aulas práticas e teóricas sobre a cultura do Hip Hop para crianças e jovens da periferia de Praia Grande/SP.

8) Parceiros chave:

Quem pode te ajudar a conceber o seu projeto? Aqui você deverá listar potenciais parceiros como: empresas, prefeitura, coletivos, grupos, movimentos culturais, centros culturais, institutos, políticos, voluntários, escolas, ONG’s.

"Hip Hop do Futuro": Professores voluntários, centro comunitário e a prefeitura.

9) Estrutura de custos:

Qual será o custo para você tocar o seu projeto? Pense em tudo que você deverá arcar para viabilizar a ação, como: Locação de espaço ou ajuda nos custos de manutenção, alimentação, logística, comunicação, figurinos, locação de equipamentos, contratação de profissionais e etc.

Hip Hop do Futuro: Figurinos, alimentação e locação de equipamentos.

Conclusão:

O canvas não é um ferramenta estática! Ela precisa (e deve) ser alterada quantas vezes forem necessárias. A validação das ideias precisa ser uma constante.

A ferramenta pode ser utilizada para novos projetos ou para aqueles que já existem, e contribuirá de forma eficiente nas fases que antecedem a elaboração de projetos culturais e sociais.

Busque tirar o máximo de proveito dela e procure preencher o quadro com a sua equipe.

Bônus

No último edital do Volkswagen na Comunidade, foi disponibilizado um outro tipo de canvas voltado especificamente para a criação de projetos sociais. O material foi produzido pela Neurônio Social. É um material muito interessante e você poderá acessá-lo aqui.

#canvas #proposta #projetosculturais #sociais

Posts Recentes